Create a book

Produtos agrícolas

Da Statistics Explained

Dados de setembro de 2012. Dados mais recentes: Mais informações do Eurostat, Principais quadros e Bases de dados.
Figura 1: Índices de produção vegetal, UE-27, 2000-2010
(2000=100) - Fonte: Eurostat (apro_cpp_crop)
Figura 2: Produção de cereais, UE-27, 2010 (1)
(%, baseada em toneladas) - Fonte: Eurostat (apro_cpp_crop)
Quadro 1: Produção vegetal, 2011
(1 000 toneladas) - Fonte: Eurostat (apro_cpp_crop)
Figura 3: Produção de produtos hortícolas, UE-27, 2011 (1)
(milhões de toneladas) - Fonte: Eurostat (apro_cpp_fruveg)
Figura 4: Produção de frutos, UE-27, 2011 (1)
(milhões de toneladas) - Fonte: Eurostat (apro_cpp_fruveg)
Quadro 2: Produção animal, 2011
(1 000 toneladas) - Fonte: Eurostat (apro_mk_pobta), (apro_mk_cola) e (apro_mt_pann)
Figura 5: Utilização do leite inteiro, UE-27, 2011 (1)
(%) - Fonte: Eurostat (apro_mk_pobta)

Existe uma grande variedade de ambientes naturais, climas e práticas agrícolas em toda a Europa, as quais se traduzem num vasto conjunto de produtos alimentares e bebidas para consumo humano e de alimentos para animais, além de contribuírem para processos não alimentares. Com efeito, os produtos agrícolas constituem uma parte importante da identidade cultural dos povos e regiões da Europa.

Neste contexto, tem sido elaborada legislação da União Europeia (UE) para proteger denominações particulares de produtos alimentares e bebidas que estão associados a um determinado território ou a um método de produção específico, com vista a oferecer garantias quanto à origem e à autenticidade de uma dada gama de produtos.

Principais resultados estatísticos

Culturas

Em 2010, a UE-27 produziu 282,9 milhões de toneladas de cereais (incluindo arroz). Apesar da aleatoriedade das condições meteorológicas, a produção de cereais na UE-27 manteve-se relativamente estável entre 2000 e 2010 - não tendo nunca flutuado além de +/-20 % (ver Gráfico1), embora com colheitas claramente mais elevadas em 2004 e 2008. A produção de cereais diminuiu após o valor relativamente elevado registado em 2008, tendo baixado 6,1 % em 2009 e 4,5 % em 2010. No entanto, em 2010 a produção de cereais na UE-27 manteve-se 1,8 % acima do valor registado em 2000. Por outro lado, a produção de batata diminuiu de forma constante durante a última década (queda de 24,5 % entre 2000 e 2009).

O Gráfico 2 apresenta uma repartição da produção de cereais na UE-27 em 2010. Quase metade (48,6 %) da produção total de cereais era composta por trigo, enquanto cerca de um quinto do total foi de milho para grão (19,9 %) e cevada (18,3 %).

A França e a Alemanha foram, de longe, os maiores produtores de cereais, beterraba sacarina e oleaginosas, representando em conjunto mais de metade da produção de beterraba sacarina da UE-27, (53,1&nbsp%), e pouco mais de dois quintos da produção de oleaginosas (38,9 %) e da produção de cereais, (37,3 %)em 2011 (ver Quadro 1). A produção de batata foi mais disseminada em todos os Estados-Membros da UE, registando a Alemanha o nível mais elevado de produção (20 % do total da UE-27, em 2010), enquanto a Polónia, os Países Baixos, a França e o Reino Unido representaram, cada um, entre 14 % e 10 % do total. A França foi, de longe, o principal produtor de leguminosas secas (2011) e de culturas têxteis (2010).

Na UE-27, os produtos hortícolas mais importantes em termos de produção foram o tomate, a cebola e a cenoura, enquanto os frutos mais importantes foram as maçãs, as laranjas e os pêssegos. Em 2011, a Itália e a Espanha registaram a maior produção de produtos hortícolas e frutos entre os Estados-Membros da UE, com uma quota-parte correspondente a dois quintos (41,5 %) da produção total da UE-27, que ascende a 57,5 milhões de toneladas. A Itália e a Espanha foram também os maiores produtores de frutos da UE, com 21,6 e 11,2 milhões de toneladas respetivamente em 2009.

Uma análise por produto mostra que a produção de frutos e produtos hortícolas frescos se concentra num pequeno grupo de Estados-Membros. Assim, quase três quintos da produção de maçã na UE-27 em 2011 estava localizada em Itália, na Polónia e em França (dados de 2010), enquanto quase toda a laranja provinha de Espanha e da Itália, juntamente com Portugal e a Grécia, mas este dois países com níveis mais baixos. Perto de dois terços (cerca de 64 %) do tomate produzido na UE-27 veio da Itália e da Espanha, enquanto quase metade (46 %) das cebolas veio dos Países Baixos ou da Espanha.

Carne e leite

O Quadro 2 apresenta resumidamente um conjunto de produtos agrícolas de origem animal. Na UE-27 a produção de carne de suíno suíno(22,4 milhões de toneladas em 2011), foi quase três vezes superior à produção de peças de vaca/vitela das carnes de bovino (7,8 milhões de toneladas); a produção de carne de ovino na UE-27 foi relativamente modesta (0,7 milhões de toneladas).

Em 2011, um quarto (25,0 %), ou seja, 5,6 milhões de toneladas, da produção de carne de suíno da UE-27 provinha da Alemanha, sendo os contributos mais elevados a seguir registados os da Espanha (15,5 %) e da França (8,9 %); foram igualmente importantes a quota de 8,1% da Polónia  e de 7,7 % da Dinamarca. Em 2011, pouco menos de um quinto (19,9 %, ou seja, quase 1,7 milhões de toneladas), da carne de bovino produzida na UE-27 teve origem em França, tendo a Alemanha e a Itália sido os únicos outros Estados-Membros a registar uma produção superior a um milhão de toneladas; A Irlanda registou uma percentagem relativamente elevada (7,0 %) da produção total de carne de bovino da UE-27. O Reino Unido liderou a produção de carne de ovino (quase 0,3 milhões de toneladas), com 39,4 % sda produção total da UE-27em 2011, seguida da Espanha (17,8 %), França (11,6 %), Grécia (9,7 %) e Irlanda (6,6 %).

A produção de leite e produtos lácteos tem uma estrutura diversa nos Estados-Membros, em termos de dimensão das explorações e de efetivos leiteiros, bem como de produção de leite propriamente dita. O total da recolha de leite de vaca na UE-27, em 2011, elevou-se a 140 milhões de toneladas. O Gráfico 5 mostra que mais de um terço (36,1 %) do leite inteiro que foi utilizado na UE-27 em 2011 foi transformado em queijo, seguindo-se a manteiga, em termos de percentagem (28,1 %); pouco mais de um décimo do leite inteiro utilizado na UE-27 destinou-se a leite de consumo (12,6 %) e a natas (11,8 %). A Alemanha e a França registaram as quantidades mais elevadas de recolha de leite na UE-27 em 2011, tendo também registado os níveis mais elevados de produção de manteiga e de queijo; juntos, os dois países contribuíram para 40 % a 50 % do total da produção da UE para estes dois produtos.

Fontes e disponibilidade de dados

As estatísticas anuais da produção de um conjunto de culturas específicas são abrangidas por regulamentos do Conselho, embora os dados relativos aos frutos e produtos hortícolas frescos sejam recolhidos no âmbito de acordos informais com os Estados-Membros da UE.

As estatísticas da produção vegetal no presente artigo dizem respeito à produção colhida. A produção vegetal corresponde à produção colhida e inclui as quantidades comercializadas, bem como as quantidades consumidas diretamente na exploração, perdas e resíduos na exploração agrícola, bem como perdas durante o transporte, a armazenagem e o acondicionamento.

As estatísticas sobre leite, ovos e produtos à base de carne são compiladas de acordo com a legislação europeia. A produção de leite abrange a produção na exploração de leite de vaca, ovelha, cabra e búfala. É feita uma distinção entre o leite recolhido pelas fábricas de laticínios e a produção de leite na exploração agrícola. A recolha de leite constitui apenas uma parte da utilização total da produção de leite na exploração; o restante inclui, em geral, o consumo próprio, a venda direta e os alimentos para animais.

A produção de carne baseia-se na definição do peso carcaça da carne própria para consumo humano. O conceito de peso carcaça corresponde ao peso, a frio, do corpo do animal abatido, embora a definição exata varie consoante o animal em causa.

Contexto

Podem ser utilizadas informações sobre os produtos agrícolas para analisar a evolução nos mercados agrícolas, a fim de ajudar a fazer a distinção entre os ciclos e a mudança dos padrões de produção; estas estatísticas podem ser utilizadas para estudar a forma como os mercados reagem às medidas políticas. Os dados sobre os produtos agrícolas fornecem igualmente informação sobre o lado da oferta, que ajuda a compreender a evolução dos preços, a qual tem especial interesse para os comerciantes de produtos agrícolas de base e para os analistas políticos.

Em outubro de 2007, o Conselho adotou legislação que instituía uma organização comum de mercado (Regulamento 1234/2007). Esta foi concebida para reduzir o volume da legislação no setor agrícola, melhorar a transparência legislativa e tornar a política agrícola mais facilmente acessível. Entre o início de 2008 e o início de 2009, a organização comum de mercado substituiu 21 mercados diferenciados relativos a vários produtos, como os frutos e produtos hortícolas, os cereais, a carne, os ovos, os produtos lácteos, o açúcar e o vinho.

Em 2003 e em 2008 tiveram lugar importantes reformas da política agrícola comum (PAC). Durante o Verão de 2010, foi organizada uma consulta sobre o desenvolvimento futuro da política agrícola. Este exercício permitiu identificar três áreas fundamentais para as partes interessadas consultadas: a segurança alimentar, as preocupações ambientais e a diversidade rural. Em novembro de 2010, a Comissão Europeia publicou uma Comunicação (COM(2010) 672 final) que estabelece um modelo para o desenvolvimento da política agrícola, [A PAC no horizonte 2020: Responder aos desafios do futuro em matéria de alimentação, recursos naturais e territoriais. O documento dá informações pormenorizadas sobre alguns dos principais desafios que se colocam ao setor agrícola da UE para a próxima década – por exemplo, a forma de preservar a produção alimentar da UE, de modo a garantir a segurança alimentar a longo prazo e ao mesmo tempo apoiar as comunidades agrícolas, que fornecem um conjunto diversificado de produtos de qualidade, e assegurar o cumprimento dos requisitos em matéria de ambiente, água, saúde animal e vegetal. A comunicação foi seguida, em outubro de 2011, de um conjunto de propostas legislativas set of legal proposals relativamente ao futuro da PAC: entre estas propostas, uma dizia respeito à reforma da atual organização comum dos mercados de produtos agrícolas: (Regulamento «OCM única») (COM(2011) 626 final/3). A proposta visa simplificar e alargar o âmbito de aplicação das disposições, com base na experiência anterior com a intervenção pública, armazenagem privada, medidas excecionais/de emergência e auxílios. As medidas excecionais de apoio aos mercados previstas na proposta dizem respeito a medidas de caráter geral para conter perturbações dos mercados, assim como medidas em caso de doenças animais ou perda de confiança dos consumidores devido a riscos para a saúde pública, a sanidade animal ou a fitossanidade. Está previsto que a nova política agrícola esteja operacional em janeiro de 2014.

Mais informações do Eurostat

Publicações

Principais quadros

Agricultural products (t_apro)
Crops products (t_apro_cp)
Poultry farming (t_apro_ec)
Milk and milk products (t_apro_mk)
Animal production (t_apro_mt)
Regional Agriculture Statistics (agr_r or reg_agr)

Base de dados

Agricultural products (apro)
Crops products (apro_cp)
Poultry farming (apro_ec)
Milk and milk products (apro_mk)
Animal production (apro_mt)

Secção especial

Metodologia / Metadados

Fonte dos dados para os quadros e os gráficos (MS Excel)

Outras informações

  • As estatísticas da produção vegetal são regidas pelos seguintes atos normativos:
  • Regulamento 543/2009 relativo às estatísticas da produção vegetal
  • Regulamento 837/90 relativo às informações estatísticas a fornecer pelos Estados-membros sobre a produção de cereais;
  • Regulamento 959/93 relativo à informação estatística a fornecer pelos Estados-membros sobre produtos vegetais, excepto cereais;
  • As estatísticas da produção de leite são regidas pelos seguintes atos normativos:
  • Diretiva 2003/107/EC de 5 de Dezembro de 2003, que altera a Directiva 96/16/CE do Conselho;
  • Diretiva 96/16/EC de 19 de Março de 1996, relativa aos inquéritos estatísticos a efectuar no sector do leite e dos produtos lácteos;
  • As estatísticas dos efetivos pecuários e da carne são regidas pelos seguintes atos normativos:
  • Regulamento 1165/2008 de 19 de Novembro de 2008 , relativo às estatísticas sobre o efectivo pecuário e a carne e que revoga as Directivas 93/23/CEE, 93/24/CEE e 93/25/CEE do Conselho.

Ligações externas

Ver também

Vistas